Skip to content

Web Summit 2017

Simplesmente o maior evento da Europa e um dos maiores do mundo ligado à web, startups, tecnologia e muito, muito mais… Decorreu pelo segundo ano consecutivo em Lisboa e mais uma vez ainda não foi este ano que tive a oportunidade de estar presente neste grande evento global em que a organização espera a presença de mais de 70k visitas…

Segundo os meus amigos, foram 3 dias fantásticos e a repetir em 2018. É um mundo de networking fenomenal, palestras fantásticas, oradores internacionais que vemos apenas uma vez na vida e um buzz fantástico em volta do evento por toda a cidade de Lisboa.

Então decidi e já coloquei na minha agenda a minha presença para 2018 no Web Summit que vai acontecer mais uma vez em Lisboa e assim aproveitar o facto deste evento estar em Portugal.

Neste vídeo da SIC podemos ver aquilo que é a Web Summit.

Segundo a notícia da ionline(fonte), entre as dezenas de conferencistas, destaque para o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, a comissária europeia Margrethe Vestager, o antigo vice-presidente dos EUA Al Gore e o ex-presidente de França François Hollande. Sara Sampaio, Gary Kasparov ou Garrett McNamara são outros dos nomes mais conhecidos. Para além destes, responsáveis de topo de algumas das principais empresas mundiais de tecnologia e também de outras indústrias, políticos, músicos, atores e ainda robôs – Professor Einstein Robot e Sophia the Robot – são conferencistas nesta edição.

Para além do evento principal há a Sunset Summit e a Night Summit, que se realizam nas ruas, bares e restaurantes de Lisboa. Estas duas cimeiras começam quando fecham as portas da Altice Arena.

A Web Summit foi fundada em 2009 pelos irlandeses Paddy Cosgrave, David Kelly e Daire Hickey. A primeira edição foi em Dublin, como uma conferência onde marcaram presença cerca de 200 pessoas, entre bloggers, jornalistas e pessoas ligadas ao mundo da tecnologia.

Cresceu de ano para ano, sempre na capital irlandesa, e ainda mesmo antes da última edição na Irlanda, em 2015, a organização comunicou que ia transferir o evento para Lisboa por três anos (2016, 2017 e 2018), com a possibilidade de serem mais duas as edições em Lisboa (2019 e 2020).

Paddy Cosgrave, líder da Web Summit, explicou na altura que a saída de Dublin se deveu sobretudo à falta de condições, nomeadamente ao nível de infraestruturas, e à fraca qualidade da internet sem fios.

O evento vai contar com um apoio de 3,9 milhões de euros, 1,3 milhões por ano, dado pelo Turismo de Portugal, Turismo de Lisboa (ATL) e AICEP (Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal). O presidente do AICEP, que esteve envolvido na organização do evento em Lisboa, tem expetativas “positivas” em relação ao certame deste ano, que considera “mais cosmopolita e global”.

De acordo com Luís Castro Henriques, “há uma tipologia de corporações grandes e elementos-chave com maior presença do que no ano passado e noto também uma presença cada vez mais forte de outras entidades institucionais, que percebem a relevância da visibilidade do evento”. Fonte destes 7 parágrafos: ionline.

Devido a todo este movimento em 2018 vou fazer todos os possíveis para estar presente neste evento.

Miguel Brandão on FacebookMiguel Brandão on FlickrMiguel Brandão on InstagramMiguel Brandão on LinkedinMiguel Brandão on TwitterMiguel Brandão on Youtube
Miguel Brandão
Miguel Brandão
Sou Miguel Brandão tenho formação académica em Marketing, Publicidade e R.P. frequentei durante 2 anos a licenciatura em Sistemas de Informação e Multimédia. Fui também estudante durante 1 semestre lectivo na Universidade de Salamanca (Espanha). Desde 2004 que trabalho Online para clientes e projetos próprios. Atualmente sou CEO da SEOlabs.pt com serviços de SEO. Sou responsável de diversos sites e blogs de diversos nichos em Portugal, Espanha, Brasil, Colômbia e Peru.