Skip to content

7 técnicas de criatividade para criar artigos – Parte III Final



Nos artigos anteriores – 7 técnicas de criatividade para criar artigos – Parte I e Parte II – ficámos a conhecer o BrainStorming, o Jogo das Ideias, as Matrizes de Descoberta e os Cenários. Com esta série de artigos espero ajudar todos os Bloggers nos momentos mais difíceis quando não conseguem ter ideias para escrever artigos para os seus blogs. Porque escrever todos os dias, nem sempre é fácil conseguir ideias para colocar nos post´s. Vamos então começar;

Imagem: http://www.flickr.com/photos/petitfelicite

5# – A aproximação analógica

A tentativa analógica consiste em afastarmo-nos do problema relacionando com os conceitos, ideias e imagens que ele nos inspira, e depois em retomar todo o material, confrontando-o com o problema inicial num processo chamado cruzamento, para daí extrairmos ideias de soluções.

Funcionamento:

  1. Generalizar o problema: definir o problema da maneira mais geral e abstracta possível para apurar a sua essência.
  2. Transpor o problema: pensar nas possibilidades reais e imaginárias. Exemplo de expressões; “isto faz-me pensar em…” etc.
  3. Escolher: entre tudo o que foi produzido aquelas ideias que se vai explorar.
  4. Descodificar: extrair as pistas das ideias do conteúdo escolhido.
  5. Cruzar: relacionar as ideias saídas da descodificação com o problema de partida para elaborar as soluções.

A aproximação analógica é o domínio privilegiado da criatividade. Esta técnica permite-nos libertar das cadeias da realidade para ir vagabundear por pistas variadas, à procura de ideias. Para esta técnica ter mais sucesso, é necessário ter um grupo de pessoas das mais variadas áreas possíveis. A descodificação é a fase-chave deste processo exigindo precisão.

6# – As palavras indutoras

Esta técnica assenta na tentativa de desvio. De facto, trata-se não de ir directamente do problema para a solução, mas sim de seguir por atalhos onde vamos recolher ideias que servirão para elaborar soluções. Para isso aplicamos os “estímulos” tomados ao acaso ou extraídos do problema em si mesmo: são as palavras indutoras ( indutor: é um termo que serve de ponto de partida para uma associação de ideias). Por exemplo; depois de o problema estar bem definido e compreendido, vamos relacionar sucessivamente com palavras tiradas de uma lista de termos particularmente evocadores, sejam elas tiradas ao acaso de um dicionário ou palavras tiradas directamente do problema.

Funcionamento:

O problema quando for exposto, a sua formulação tem que ser inscrita num quadro. Deve-se definir o problema começando a frase pela palavra “como”. Por exemplo: como fazer mais artigos? A partir daqui terá de existir um jogo com os termos do problema, criaremos um conjunto de estímulos que farão com que teremos outra visão do problema sobre ângulos novos e que permitirão desencadear ideias de soluções.

7# – A ficha de ideia

A ficha de ideia constitui o fim de uma investigação, esta permite apresentar cada uma das ideias produzidas sobre uma forma compreensível  e avaliativa escrevendo da seguinte maneira:
Título: dar um nome à ideia.
Descrição: deve ser muito clara e completa.
Desenho ou Esquema: se não se conseguir apresentar a ideia sobre forma de desenho ou esquema é sinal que  a ideia ainda não está clara.
Vantagens: apresentar todos os pontos fortes da ideia.
Variantes: investigação complementar para definir as ideias mais próximas.
Meios de realização: Descrever as diferentes formas de realizar as ideias.
Problemas: apresentar possíveis problemas, tais como; técnicos, financeiros, psicológicos, etc.
Resposta do cliente: ideia a realizar, ideia a aprofundar, ideia a rejeitar.

Esta última técnica de criatividade( A ficha de ideia) poderá aplicar-se em termos empresariais, ou relação empresa/cliente. Mas pode também aplicar-se à apresentação por escrito de ideias para posteriormente aplicarmos em artigos para blogs.

CONCLUSÃO FINAL

Para funcionarem bem, as técnicas de criatividade devem ser utilizadas em grupos (entre 6 a 10 pessoas) com participantes motivados. O papel do moderador do grupo assume uma importância crucial. Será esta pessoa que vai desenvolver todo o processo criativo e que o problema seja bem posto e assimilado por todos e que sejam rigorosos nas fases da investigação. Também é responsável pelo ambiente de descontracção, de confiança e de acolhimento de ideias propícia à libertação da imaginação. O moderador deve também ajudar o grupo a atingir os objectivos que será a produção de soluções. Espero com esta série de artigos ajudar todos os Bloggers a criarem conteúdos próprios e exclusivos.

A criatividade é a imaginação associada ao rigor


Miguel Brandão on FacebookMiguel Brandão on FlickrMiguel Brandão on InstagramMiguel Brandão on LinkedinMiguel Brandão on TwitterMiguel Brandão on Youtube
Miguel Brandão
Miguel Brandão
Sou Miguel Brandão tenho formação académica em Marketing, Publicidade e R.P. frequentei durante 2 anos a licenciatura em Sistemas de Informação e Multimédia. Fui também estudante durante 1 semestre lectivo na Universidade de Salamanca (Espanha). Desde 2004 que trabalho Online para clientes e projetos próprios. Atualmente sou CEO da SEOlabs.pt com serviços de SEO. Sou responsável de diversos sites e blogs de diversos nichos em Portugal, Espanha, Brasil, Colômbia e Peru.